25 de abr de 2013

Um FILME para ver e compartilhar!


           Neste final de semana nos reunimos para uma sessão de cinema com fins profissionais.Tivemos a oportunidade de assistir o documentário intitulado “Muito Além do Peso” e achamos importante dividir este belo trabalho com nossos leitores e seguidores nas redes sociais. O filme trata sobre a obesidade infantil, revelando dados de instituições renomadas acerca deste fenômeno, trata também do poder e da influência das propagandas em nossa alimentação, além de casos de crianças que já sofrem os efeitos de uma má alimentação. Algumas situações nos deixaram realmente perplexos e preocupados com as crianças de hoje e as futuras gerações. Este fato nos motivou a espalhar essa mensagem ao maior número possível de pessoas.

          Se você já é pai ou se pretende ter um filho nos tempos de hoje não pode deixar de assistir. Na verdade, esperamos que você seja mais um divulgador deste alarmante problema biopsicossocial que atinge a população mundial! 

Veja o trailer:

           Abaixo segue a sinopse oficial do filme, retirado do site www.muitoalemdopeso.com.br, onde o mesmo encontra-se disponível para download em diferentes formatos. O filme também pode ser visto direto pelo youtube.

Muito Além do Peso 

(Way Beyond Weight)
84', cor, censura livre.

Obesidade, a maior epidemia infantil da história.

"Um filme obrigatório para qualquer pessoa que se importe com a saúde das nossas crianças" Jamie Oliver 

Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam sintomas de doenças de adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2. 
Todos têm em sua base a obesidade. 
O documentário discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.

Com Jamie Oliver, Amit Goswami, Frei Betto, Ann Cooper, William Dietz, Walmir Coutinho, entre outros. 
Direção: Estela Renner
Produção Executiva: Marcos Nisti
Direção de Produção: Juliana Borges
Fotografia: Renata Ursaia
Montagem: Jordana Berg 
Projeto Gráfico: Birdo
Trilha Sonora: Luiz Macedo
Produção: Maria Farinha Filmes
Patrocínio: Instituto Alana


Esta obra está disponível para exibição e distribuição sem fins lucrativos. Para os demais casos, favor entrar em contato com a produtora.

Faça sua parte, compartilhe!

Abraços,









17 de abr de 2013

Você treina ou “malha”? Mude de atitude e transforme-se!


São inúmeros os objetivos que levam uma pessoa a se matricular numa academia, mas dentre eles ainda podemos afirmar que a maioria busca mesmo melhorar sua aparência física. Na verdade, o interesse está ligado aos benefícios estéticos oriundos de um treino bem sucedido, já que são muitos os resultados em quem decidiu mudar de atitude e de comportamento. Há casos, e não são poucos, de uma real transformação a ponto de impressionar qualquer um que não tenha visto de perto todo o processo. Estes servem como motivação e despertam sonhos de mudança em boa parte dos insatisfeitos com seu corpo e que precisam de alguns empurrãozinhos para sair do sofá.
Antes de tudo, é preciso saber que mudar seu corpo a ponto de receber elogios exige muita determinação, empenho e renuncia de antigos hábitos. Podemos afirmar que é preciso uma reprogramação de suas atitudes e comportamentos. Resumindo: não é nada fácil! Se fosse veríamos muito menos pessoas se lamentando e preocupadas com isso. O fato é que existe um “preço” a ser pago para obtenção de melhorias estéticas importantes, principalmente se você se descuidou por um longo período de tempo.
Como ponto de partida para a transformação é necessário avaliar se você tem ido “malhar” ou treinar quando decide ir à academia. Alguns até dirão que isso é conversa fiada e que os dois termos representam a mesma coisa, porém lhes digo: Treinar envolve compromisso, meta, estar focado em um objetivo e disposto a se esforçar em busca dele, já “malhar” nem existe no dicionário formal. Se você já pratica o descrito acima e ainda diz que está indo “malhar”, chegou a hora de adotar esta nova terminologia.
Matriculou-se?! Não desista!
A taxa de desistência em grandes academias e centros esportivos beira os 50% por mês. Já imaginou isso?! Sem contar com a quantidade de matriculados e não frequentadores, e os que pagam caro para frequentar a sua modalidade preferida apenas 1 ou 2X por semana. Outra notícia nada boa é que muitos que superam a barreira da baixa frequência e do abandono e enchem as salas de musculação ou de ginástica não estão satisfeitas com seu corpo, mesmo após meses de mensalidade.
De quem é a culpa?
Se você já frequenta a academia há algum tempo e vive a reclamar que os resultados não aparecem, questione-se ao sair de casa se você está indo dar o seu máximo, o seu 100%, se está comendo melhor, se melhorou a qualidade do seu sono. Dar o máximo nos seus treinos significa respeitar os intervalos entre as séries, entre os exercícios e as sessões, executá-los corretamente, desafiar-se com a progressão das cargas, compreendendo que não existe resultado ótimo com uma má alimentação e descanso inadequado. Para quem treina, dieta e descanso são uma extensão do treinamento. Você não age assim? Então provavelmente a responsabilidade de seus resultados não serem satisfatórios é sua!
Um bom profissional é fundamental!
Para que você alcance o seu objetivo, é importante que o Profissional de Educação Física deixe claro o tamanho do desafio e do comprometimento que você deve ter. Claro que isso não pode ser passado em sua totalidade no primeiro dia de academia, mas faz diferença uma boa orientação neste sentido. O quadro abaixo exemplifica algumas situações comportamentais que podem ser melhoradas com o auxilio do professor, demonstrando as diferenças clássicas nas atitudes de quem “malha” e quem treina.



“Malha”
Treina
Vai à academia sem relógio ou o relógio não facilita a visualização dos segundos.
Só treina com o cronometro ligado e se esquece do relógio não desgruda o olho dos relógios da academia.
Passa mais tempo no smartfone do que treinando.
Só atende as ligações importantes ou deixa o telefone na bolsa/mochila.
Já treina pensando nas calorias a mais que poderá ingerir e sempre acha que come “bem”.
Sai da dieta às vezes, mas sabe que sem uma dieta bem elaborada não há como obter o melhor resultado. Leva a sério sua alimentação.
Compra os suplementos da moda sem indicação/recomendação correta.
Sabe que uma consulta a um (a) nutricionista melhora e muito o custo beneficio dos suplementos.
Faz o mesmo treino sempre, ou só mantém os exercícios que gosta de executar ou pior, acha que é auto-suficiente para prescrever seus treinos e dos seus amigos.
Presta a atenção nos melhores profissionais que atuam na academia, busca informações entre clientes que já obtiveram bons resultados para decidir a quem confiará seu treinamento. Acredita no seu professor.
Sempre vê dificuldade nos exercícios, nos horários e no tempo.
Sabe que a dificuldade o tornará mais forte. Acredita na mudança.
Final de semana bota toda a dieta e descanso a perder. Afinal, é final de semana, “pô”! Não dorme bem de sexta a domingo.
Escolhe um dia para sair da dieta e mesmo assim procura reequilibrar nas demais refeições. Quando dorme pouco procura descansar um pouco mais no dia seguinte, além de beber moderadamente.

Diversifique e siga em busca do seu objetivo.
Sabemos que algumas vezes a rotina de treino pode se tornar monótona, mas antes de sumir/desistir, imagine os resultados e a satisfação que terá quando atingir suas metas. Caso isso não seja suficiente, diversifique! Experimente aulas em grupo, natação, artes marciais, yoga, pilates, treinos de corridas, ciclismo indoor... Sim, a maioria destas atividades existe dentro de sua academia e podem fazê-lo melhorar. Comece procurando um bom profissional que o incentive, acompanhe seu progresso, reavalie e elabore a melhor estratégia para que o treino supere suas expectativas e prepare-se para os elogios!





Texto escrito pelo Educador Físico Anderson Santos, Personal da Mais Atividade Física.

13 de abr de 2013

Afinal, é ALONGAR preciso?

Antes de iniciar uma atividade física, uma das primeiras coisas que fazemos é alongar. Por muitos e muitos anos essa questão pareceu uma verdade incontestável, pois prendemos nas velhas aulas de educação física que o alongamento ajuda a prevenir lesões, aquece a musculatura, melhora a flexibilidade, e por ser até hoje uma prática adotada por boa parte dos profissionais de educação física. Além disto, não é difícil ouvir praticantes de atividade física atribuindo algumas lesões ou dores pós-exercícios ao fato de não terem alongado o suficiente.
O grande problema, ou solução, é que a ciência se modifica e isso tudo foi colocado em xeque por diversos estudos que comprovam que segurar a musculatura em uma determinada posição por 20 a 30 segundos de forma intensa, antes de realizar um exercício, aeróbico ou de musculação pode atrapalhar mais do que ajudar. Corredores de longas distâncias tiveram seus tempos diminuídos, e outros aumentaram o esforço para realização do mesmo percurso. Já em atletas que precisavam de força, verificou-se diminuição de até 30% na mesma e perda de potência muscular.
Alongamentos dinâmicos
Se você está comemorando porque não precisará mais “perder tempo" ou sempre achou chato alongar, vá com calma. Não é aconselhável chegar de qualquer jeito e começar a sua atividade, existem formas eficientes de aumentar a temperatura muscular, a atividade neural da musculatura e melhorar o desempenho. Alongamentos dinâmicos, que mais parecem com o aquecimento, onde o praticante realiza movimentos repetitivos são largamente utilizados por atletas de ponta. (veja exemplo neste vídeo). Além deles, o aquecimento específico ganha destaque, onde utilizamos uma carga menor do que a do exercício e realizam-se algumas repetições (10 a 15 no caso da musculação, com 50% da carga antes do primeiro exercício, por exemplo) ou uma corrida estacionária (no  correr sem sair do lugar durante 1 a 2 minutos) antes da corrida. Dessa maneira preparamos a musculatura, aceleramos a frequência cardíaca, melhoramos a amplitude do movimento, funcionamento articular, entre outros.
De uma coisa você pode ficar certo, se você é daqueles que realizam alongamentos que não duram nem 10 segundos na mesma posição, não se preocupe, estes provavelmente servem mais como um aquecimento ou como um suporte para a sua psique de que agora você está preparado para iniciar sua atividade física com mais segurança. Se isso lhe faz bem e já acompanha a um bom tempo suas sessões de treino, continue a fazer. Garanto que as referências que se mostraram negativas não se aplicam ao seu caso. Não faça disso mais uma polêmica que venha a atrapalhar sua sessão.
Portanto, se você não dispensa o alongamento tradicional, segurando 20 a 30 segundos na mesma posição durante 1 ou mais séries, a sugestão é alongar a musculatura que não irá trabalhar naquela sessão de treino ou procurar alongar em outro horário. Assim poderá aumentar a amplitude articular, melhorando ou mantendo a flexibilidade em longo prazo. Já para o treino logo a seguir, seja de musculação ou aeróbico, realize alongamentos dinâmicos e não esqueça a importância do aquecimento específico para a atividade a realizar. 

BONS TREINOS!






Texto escrito pelo Educador Físico Anderson Santos, Personal da Mais Atividade Física.

6 de abr de 2013

Orientações Nutricionais para Corridas pela MANHÃ.


   Amanhã acontecerá mais um grande evento de corrida em Recife e pela primeira vez estaremos com uma estrutura de apoio para nossos clientes, atletas e amigos. Para tal, firmamos uma parceria com a NUNAGE Running e contamos com a ajuda de alguns patrocinadores (imagem). 
   Para dar um força a mais consultamos a nutricionista Izabel Oliveira que nos enviou algumas dicas de alimentação para hoje a noite e amanhã, antes, durante e após a prova.
Seguem as orientações:

Hoje a noite:
1- Consuma alimentos ricos em carboidratos, como macarrão, batatas, milho, pães, por exemplo;
2- Atenção! Muitas pessoas pensam que comer pizza antes da corrida é uma boa opção de fonte de carboidrato, lembre-se que o recheio é rico em gordura, portanto, evite. Uma boa opção seria um prato de macarronada com molho simples;
Pela manhã:
3- Na refeição anterior a corrida faça um café da manhã leve: 1 copo de suco de fruta + 1 ou 2 fatias de torrada integral com geleia + 1 fatia de queijo magro, por exemplo;
4- Hidrate-se entre as refeições! Beba 1 copo de 200ml a cada hora, aproximadamente;
5- Não é recomendado o consumo de alimentos ou preparações que você não esteja acostumado.  Nada  de novos sabores antes de concluída sua prova;
Durante e após a corrida:
6- Hidrate-se a cada 15 minutos de prova (200ml). Se a corrida ultrapassar 1 hora use 40 a 50g de carboidratos + 400-500ml de água  a cada hora ou se usar o gel de carboidrato 2 unidades + 300ml de água a cada hora. (OBS: esses líquidos ou gel devem ser ingeridos em pequenos goles, a cada 30minutos usar 250ml). Se você estiver em dieta para emagrecer use apenas água.
7- Após a prova a hidratação irá depender de sua perda de peso medida logo após o exercício, a meta é repor de 100% a 150% a mais do que perdeu;
8- Faça uma refeição rica em carboidratos e proteínas (pouca fibra). 

       Esperamos que as orientações ajudem e melhore seu desempenho na corrida. Desejamos uma ótima prova e vamos nos DIVERTIR. 





Consultoria de Nutrição:
CRN-6 9739/p